Pazuello irá ao Senado explicar portaria com novas regras para aborto


O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, participará de videoconferência com senadores na próxima quarta-feira (9), às 14h30, para esclarecer a portaria que cria novas regras para realização de aborto no Brasil. O anúncio foi feito pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), durante a sessão remota desta ontem (1°). O pedido da audiência havia sido feito pelo líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE).

“Fico feliz em informar que o ministro está disposto a trazer os esclarecimentos necessários para eventuais ajustes ou mesmo revogação da portaria“, afirmou Bezerra.

A portaria do Ministério da Saúde obriga a notificação à polícia em todos os casos de aborto permitidos por  lei, mesmo nos de risco de morte à mãe, quando a decisão médica, muitas vezes, é tomada dentro do centro cirúrgico. No país, o aborto é autorizado em caso de violência sexual, quando o parto põe em risco a vida da mulher ou quando o feto é anencéfalo.

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse ter ficado satisfeito com a disposição do ministro de dar explicações, mas manifestou preocupação com a portaria. Junto com os senadores Paulo Rocha (PT-PA) e Zenaide Maia (Pros-RN), Humberto Costa é autor do PDL 386/2020, que revoga a portaria do governo.

“Fico preocupado que o Ministério da Saúde tenha editado essa portaria que, na prática, cria 1 constrangimento grande tanto às mulheres vítimas de gravidez determinada após violência sexual ou mesmo naqueles casos de risco de vida para as mães“, disse o senador.

Ele relatou que, quando foi ministro da Saúde, de 2003 a 2005, eliminou a necessidade de a mulher que precisava do aborto registrar 1 boletim de ocorrência para ter o direito cumprido.

“É difícil para a mulher chegar na delegacia, onde muitas vezes não tem pessoas adequadas para esse atendimento, e registrar que foi vítima de 1 estupro. Com a medida que tomamos, a palavra da mulher seria suficiente para que se pudesse garantir o cumprimento da lei do aborto legal, uma lei que vige no Brasil há mais de 60 anos“, completou.

AGÊNCIA SENADO

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.