Protesto de torcedores a favor da democracia acaba em confronto

Protesto de torcidas organizadas começou pacífico, mas terminou em confronto | Foto: Foto: AFP

Integrantes de grupos que participavam de manifestação “em defesa da democracia” e apoiadores do governo federal entraram em confronto na tarde de ontem na Avenida Paulista, no centro de São Paulo. A Polícia Militar (PM) disparou balas de borracha e bombas de gás em direção aos manifestantes. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do estado informou que houve “briga generalizada na avenida” e que a “PM atuou para impedir o conflito entre grupos antagonistas”.

De acordo com a secretaria, um homem de 43 anos foi levado para a Santa Casa após ser agredido pelos investigados. A nota informa que cinco pessoas foram detidas e levadas ao 78° Distrito Policial (DP).

“O objetivo do protesto era bem claro, era a favor da democracia, era fazer uma manifestação pacífica. O que está posto no Brasil é uma guerra de narrativas”, disse o organizador do ‘Somos Democracia’, Danilo Pássaro. Segundo ele, estava combinado com a PM a dispersão às 14h, mas algumas pessoas ficaram na avenida. O grupo reunia, entre outros, torcedores de times de futebol, incluindo de torcidas organizadas dos quatro grandes clubes de São Paulo (Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo).

Segundo Danilo Pássaro, havia um grupo usando símbolos neonazistas e roupas camufladas que passou no meio do que havia restado da manifestação a favor da democracia, o que acabou gerando provocação e tumulto, quando então a PM interveio.

A Tropa de Choque da PM foi deslocada para a Paulista. Os manifestantes espalharam materiais na avenida para impedir o avanço da polícia. Alguns reagiram jogando objetos contra os PMs.

O secretário-executivo da Polícia Militar, coronel Álvaro Camilo, disse ontem que a corporação deverá agir para tentar identificar as pessoas que teriam se infiltrado no grupo de manifestantes contrários ao presidente Jair Bolsonaro, deflagrando a briga que levou à ação da corporação na tarde deste domingo, 31, na Avenida Paulista.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, manifestantes de posições divergentes também entraram em confronto na Avenida Atlântica, na Praia de Copacabana, ontem. De um lado estavam apoiadores do governo federal e que protestavam contra o STF, vestindo roupas verdes e amarelas e levando bandeiras do Brasil, como já vem acontecendo pelo País.

Na outra pista da avenida, acontecia uma manifestação de um grupo que se autodenominou ‘antifascista’, que se vestia de preto, gritava palavras de ordem e carregava faixas contra Bolsonaro. A Polícia Militar usou spray de pimenta e bombas de gás para dispersar os manifestantes.

De acordo, com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar, um policial do 19º Batalhão de Polícia Militar (Copacabana) ficou ferido no rosto, após um manifestante jogar uma garrafa contra a equipe e foi encaminhado para o Unidade de Pronto Atendimento de Copacabana. Ainda conforme a secretaria, duas pessoas foram levadas para a 12ª Delegacia de Polícia.

DIÁRIO DO NORDESTE

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.