Procurador pede investigação de contratos de ex-mulher de Wassef com governo


O Ministério Público de Contas pediu, nesta ontem (22), investigações em contratos firmados entre o governo e a Globalweb Outsourcing, empresa ligada à ex-mulher de Frederick Wassef, advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). A informação foi revelada pelo portal UOL.

No pedido de apuração, o subprocurador Lucas Rocha Furtado orienta à apuração se houve influência de Cristina Boner Leo por meio de Wassef, em eventual direcionamento das contratações à Globalweb.

Furtado destaca que o volume de pagamentos à empresa teve aumento considerável durante a gestão Bolsonaro.

“A despeito disso, o fato de a empresa estar vinculada, ainda que de forma indireta, à Sra. Maria Cristina Boner Leo — ex-esposa do Sr. Frederick Wassef, advogado do filho do Presidente da República, e mãe da Sra. Bruna Boner Leo Silva, sócia administradora da Globalweb Outsourcing —, associado ao aumento considerável no volume de pagamentos à Globalweb Outsourcing durante a gestão Bolsonaro, levanta suspeitas quanto à eventual prática de tráfico de influência, com vistas a favorecer empresa pertencente a pessoas que mantêm relação pessoal com a família do presidente”.

Segundo apurou o UOL, os supostos valores pagos à Globalweb em menos de 1 ano e meio do governo do presidente Jair Bolsonaro (R$ 41 milhões), já chegam aos pagos à empresa nos 4 anos de gestão de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB) –R$ 42 milhões.

A empresa de informática é prestadora de serviços de diferentes órgãos estatais, como o Ministério da Educação e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social).

Lucas Rocha Furtado, aliás, –embora os casos não tenham relação–é o mesmo procurador que pediu investigação no Itamaraty sobre a ida do ex-ministro Abraham Weintraub aos Estados Unidos.

Caso Queiroz
No domingo (21.jun.2020), Wassef declarou em entrevista à CNN Brasil: “Nunca jamais o presidente Jair Bolsonaro e soube ou teve conhecimento desses atos. Essa é minha inteira responsabilidade. Eu omiti essas informações do presidente da República e do senador Flávio Bolsonaro.”

O ex-assessor é investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. A suspeita é que Queiroz atuava como operador de 1 esquema conhecido como “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro –quando os funcionários são coagidos a devolver parte do seu salário.

Wassef nega que tenha escondido Queiroz. Diz que o ex-assessor não estava foragido da polícia.

Ele afirmou que deixará a defesa de Flávio para não prejudicar Bolsonaro. Voltou a dizer que o caso é uma “armação para incriminar o presidente”.

PODER 360

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.