PGR pede arquivamento de representações de deputados do PT contra Moro


O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou manifestação ao STF (Supremo Tribunal Federal) defendendo o arquivamento de notícias-crime apresentadas pelos deputados Rui Falcão (PT-SP) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) contra o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Falcão pedia que Moro fosse investigado por prevaricação e condescendência criminosa. Disse que, ao pedir demissão, o ex-ministro relatou ter havido interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, o que teria sido também uma “admissão de condutas que podem ser consideradas penalmente típicas“.

“[Moro] ciente das intenções e ações criminosas, não tomou as medidas inerentes ao seu ofício público“, escreveu o petista.

Gleisi também enxergou nas declarações de Moro ao deixar o governo confissões de prevaricação, mas o acusou também de praticar corrupção passiva e advocacia administrativa.

Aras, ao defender o arquivamento das representações, alegou que o inquérito que investiga os fatos narrados pelo ex-juiz da Lava Jato já engloba os possíveis crimes apontados pelos petistas. Ao pedir a abertura da investigação, o chefe da PGR apontou possíveis crimes tanto de Bolsonaro quanto de Moro, sendo eles: falsidade ideológica; coação no curso do processo; advocacia administrativa; prevaricação; obstrução de Justiça; corrupção passiva privilegiada; denunciação caluniosa; além de crimes contra a honra.

O inquérito é presidido pelo ministro Celso de Mello, a quem caberá decidir pelo arquivamento ou não das notícias-crime.

PODER 360

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.