Moro vê falta de empenho com pauta anticorrupção


O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro disse que o governo de Jair Bolsonaro se valeu de sua imagem de ex-juiz da Lava Jato para transparecer compromisso com o combate à corrupção, mas não atuou nesse sentido.

“Desculpe aqui os seguidores do presidente se essa é uma verdade inconveniente, mas essa agenda anticorrupção não teve 1 impulso por parte do presidente”, disse Moro neste domingo (24.mai.2020) ao Fantástico (TV Globo). “O governo se vale da minha imagem, que eu tenho esse passado de combate firme contra a corrupção, e de fato o governo não está fazendo isso. Não é? Não está fortalecendo as instituições para 1 combate à corrupção.”

Moro deixou o governo há 1 mês, em 24 de abril, acusando o presidente da República de ter praticado interferência política na Polícia Federal por ocasião da demissão do então diretor-geral da corporação, Maurício Valeixo. Na entrevista, o ex-ministro reforçou a acusação, e disse que se sentiu “desapontado” com Bolsonaro.

“Nunca foi minha intenção prejudicar o governo de qualquer maneira. [….] Essa interferência vem num contínuo em que eu vi essa agenda anticorrupção cada vez mais esvaziada“, afirmou, citando como exemplos desse ato “contínuo” a postura de Bolsonaro em relação à transferência do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) do Ministério da Justiça, a falta de apoio ao pacote anticrime e a falta de articulação em defesa das prisões após condenação em 2ª Instância.

Moro disse que passou a antagonizar com Bolsonaro por  ter compromisso “com a verdade“, não devendo apenas concordar com o ex-chefe. “A minha lealdade ao próprio presidente demanda que eu me posicione com a verdade, com o que eu penso, e não apenas concordando com a posição do presidente. Se for assim, não precisa de 1ministro, precisa de 1 papagaio.”

O ex-juiz da Lava Jato comentou a troca de mensagens que teve com Bolsonaro na manhã de 22 de abril. Na ocasião, o presidente escreveu: “Moro, o Valeixo sai nessa semana. Isso está decidido“.

Para Moro, essas mensagens deixam claro que Bolsonaro mentiu ao negar ter interferido na PF. “Isso demonstra que essa argumentação de que não havia interferência não é exatamente correta. […] O que aconteceu, na minha avaliação, foi uma interferência política.”

Naquele mesmo 22 de abril da troca de mensagens, Moro participou de reunião ministerial cujo vídeo foi divulgado na última 6ª feira (22.mai). A gravação é peça central do inquérito que investiga no STF (Supremo Tribunal Federal) se Bolsonaro interferiu na Polícia Federal.

O ex-juiz disse ao Fantástico que estava incomodado na reunião, que foi marcada por palavrões e declarações controversas de Bolsonaro e dos demais ministros, com nenhuma discussão a respeito da pandemia da covid-19. Explicou a razão de ter passado a maior parte do tempo calado.

“Me trouxe muito incômodo. Não há espaço ali para o contraditório. Eu não tava confortável. Eu me sentia incomodado por vários aspectos.”

Moro afirmou também que assinou medida que ampliava o limite de munição que civis podem comprar por mês devido à pressão exercida pelo presidente naquela reunião.

O ex-juiz também criticou recentes alianças de Bolsonaro com partidos do Centrão e também lamentou a postura do presidente em relação à covid-19.

“A posição do governo federal em relação à pandemia é muito pouco construtiva. O presidente tem uma posição negacionista em relação à pandemia. […] Dentro do governo foi alertado o risco de que houvesse essa escalada de mortes, no entanto, falta 1 planejamento geral em relação a essas questões.”

Questionado se pretende vir a se candidatar a algum cargo eletivo, Moro deixou em aberto. “Eu tô encontrando uma maneira de me posicionar. Eu quero de alguma forma continuar a contribuir, seja na esfera privada ou no debate público.“

PODER 360

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.