Casos de Covid-19 no Ceará já ultrapassam população de sete cidades


O mês de abril chegou ao fim. A preocupação de como serão os dias de maio, diante da pandemia do novo coronavírus, está presente nas tabelas e gráficos das secretarias estadual e municipais de Saúde. O Ceará chegou a 450 óbitos e 7.409 confirmações por Covid-19, conforme a plataforma IntegraSUS, atualizada às 17h18 de ontem (29).

O elevado número de casos, se comparado às populações de municípios do Ceará, já supera a quantidade de habitantes de sete cidades que possuem até 7,3 mil moradores. É como se todas as pessoas que vivem em Antonina do Norte, por exemplo, estivessem infectadas. O mesmo comparativo vale para os contingentes de Ererê, Potiretama, Pacujá, Baixio, Guaramiranga e Granjeiro, se levados em conta dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme a Sesa, 141 municípios cearenses dos 184 apresentam casos da doença — o equivalente a 76% do Estado. Ao mesmo tempo, 141 mortes da doença estão sob suspeita. A maioria dos pacientes confirmados com a enfermidade tem entre 20 e 49 anos de idade, totalizando 3.663 diagnósticos positivos até o momento da análise, correspondendo a 52,3% dos casos. Já a maior incidência, contudo, encontra-se na faixa acima de 70 anos. São 293,4 casos por 100 mil habitantes no sexo masculino e 218,4 casos por 100 mil habitantes no sexo feminino.

No boletim epidemiológico semanal da Sesa, com dados até 16h desta terça-feira (28), chama atenção os 64 casos de bebês de até um ano de idade com a doença. Do total na mesma faixa etária, foram 28 meninos e 37 meninas contaminados pelo vírus. Foi necessário hospitalizar nove deles. Houve ainda a morte de uma bebê de três meses, em Iguatu, em 6 de abril. Até então, a criança era a vítima mais jovem Covid-19 no Brasil.



Uma estatística desanimadora é a situação do Ceará no âmbito do Nordeste. O Estado é o primeiro colocado em casos confirmados de Covid-19 da região, seguido de Pernambuco (6.194), Maranhão (2.804) e Bahia (2.646). No cenário nacional, o Ceará se posiciona em terceiro lugar. São Paulo concentra a maior parte das notificações, com 26.158 casos e 2.247 mortes. Rio de Janeiro aparece em segundo lugar, com 8.869 casos e 794 óbitos. O Estado que registra menos notificações é Tocantins, com 116 registros e três mortes.

Mortes

O número de óbitos decorrentes da Covid-19 subiu de 441 para 450 no Estado, em pouco mais de três horas, conforme a Sesa. A taxa de letalidade é de 6,1%. Fortaleza acumula o maior número de casos no Ceará, registrando 5.712 infectados e 349 mortes em razão do novo coronavírus. Em segundo e terceiro lugares no ranking estadual de casos estão Caucaia (287) e Maracanaú (154).

Medidas

O Governo do Estado e a Prefeitura de Fortaleza seguem diariamente lançando novas ações de enfrentamento à Covid-19, além de informar sobre reuniões com órgãos nacionais de saúde. O governador Camilo Santana (PT) solicitou ao ministro da Saúde, Nelson Teich, a habilitação de leitos para o tratamento da Covid-19 no Ceará e a contratação de pessoal para o auxílio aos infectados. A demanda foi levada ao novo chefe da saúde em reunião virtual, na tarde desta quarta-feira, com os demais governadores do Nordeste.

Conforme o chefe do Executivo estadual, uma das maiores preocupações do Estado é a necessidade do uso de respiradores nos próximos dias, já que muitos pacientes já chegam às unidades de saúde em estágio avançado da infecção, necessitando do auxílio do equipamento para a respiração mecânica. “Fizemos uma compra grande de respiradores de fora do Brasil (700 unidades) e infelizmente ainda não conseguimos trazer nenhum. Estamos dependendo muito desse apoio por parte do ministério”, explicou Camilo Santana.

Postos de Saúde

Já o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, utilizou transmissão ao vivo nas redes sociais no fim da tarde desta quarta-feira para informar que 21 postos de saúde da Capital estarão abertos na sexta-feira, feriado de 1º de maio, Dia do Trabalhador. Ele também revelou que nesta quinta-feira (30) já estarão funcionando como suporte, às Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), seis bases anunciadas com capacidade para determinar o encaminhamento de pacientes suspeitos de Covid-19 já para internação.

“A doença está disseminada. O mapa dos óbitos se espalhou pelas regionais. Não há mais área de maior ou menor risco, a cidade inteira tem disseminação sustentada e é importante que as pessoas de todos os bairros passem a cuidar, através do isolamento, de cuidados com a higiene pessoal, com o uso de máscara, da sua saúde pessoal e de toda a cidade”, pontuou o gestor, ao citar a transmissão sustentada da doença.



JOÃO LIMA NETO / DIÁRIO DO NORDESTE

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.