TSE quer pedir gastos do PSL com mensagens pró-Bolsonaro no WhatsApp


O corregedor-geral do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Jorge Mussi, afirmou nesta 2ª feira (21.out.2019) que avalia pedir a cópia da prestação de contas do PSL e anexá-la à investigação sobre o disparo em massa de mensagens por meio do WhtasApp supostamente feito pela campanha de Jair Bolsonaro à Presidência em 2018. A informação foi divulgada pelo Uol.

A intenção foi manifestada depois de reportagem publicada pelo site Vortex Media afirmar que gastos da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL), entre eles com disparos de mensagens pelo WhatsApp, não foram incluídos na prestação de contas do então candidato a presidente.

O site teria tido acesso a “documentos internos do PSL” e informa que o partido omitiu da Justiça as despesas com a campanha de Bolsonaro e descreveu os valores pagos como ordinários e não como despesas eleitorais.

Bolsonaro afirmou diversas vezes que não usou recursos do partido em sua campanha. No entanto, a reportagem mostra que ao menos R$ 915,4 mil do dinheiro do PSL foram destinados a 5 empresas que trabalharam na campanha do presidente.

Os documentos com a prestação de contas do PSL estão em 1 outro processo, que está no TSE desde abril deste ano. Ao Uol, Mussi disse que, como os documentos estão no próprio tribunal, poderia anexá-los às ações de investigação judicial eleitoral abertas pelo PT e pelo PDT para avaliar os gastos de Bolsonaro.

“Se eu tiver essa informação, eu posso de ofício, sem ser provocado, até pedir isso aí”, afirmou o corregedor. “Se está na prestação de contas do partido, nós teremos fácil acesso a isso”, afirmou. “Vou ver quem é o relator da prestação de contas do partido porque aí é mais fácil.”

PODER 360

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.