Ministro do Meio Ambiente quer empresa privada monitorando Amazônia, diz jornal


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, quer trocar o  Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) pela empresa privada Santiago & Cintra no monitoramento de áreas desmatadas na Amazônia.

A informação foi apurada e publicada no jornal Folha de S.Paulo nesta 2ª feira (3.jun.2019).

De acordo com a publicação, a Santiago & Cintra já oferece esse tipo de serviço ao governo do Pará e fornece imagens e dados de desmatamento por meio do Cimam (Centro Integrado de Monitoramento Ambiental). Segundo especialistas ouvidos pelo jornal, a empresa oferece maior resolução das áreas desmatadas. No entanto, faz isso a 1 custo muito alto, enquanto o Inpe produz informações a 1 baixo custo.

O Inpe faz o mapeamento da região amazônica desde 1988. É subordinado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e conta com 3 sistemas operacionais complementares: o Prodes (Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite); o Deter (Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real); e o TerraClass (sistema de mapeamento do uso e ocupação da terra após o desmatamento).

Salles já criticou a atuação do Inpe em janeiro deste ano. Ele defende a criação de 1 novo sistema mais eficiente para medir derrubadas na floresta.

No entanto, especialistas ouvidos pela Folha afirmaram que para melhorar o combate ao desmatamento na Amazônia é mais eficiente realizar novos concursos públicos para preencher o déficit de funcionários nos órgãos de fiscalização, punir os desmatamentos ilegais já detectados e melhorar as condições logísticas na região.

PODER 360

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.