Venezuela: opositores se refugiam em embaixadas com aprofundamento da crise

Do exuberante jardim tropical da residência do embaixador chileno, o líder da oposição venezuelana Freddy Guevara recebe um telefonema muito aguardado de um diplomata estrangeiro e pede a ele que proteja um colega legislador que foge da última repressão do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. "Obrigada, obrigada, embaixador. Em nome de todos nós", diz Guevara, falando em seu celular enquanto se senta para uma entrevista dentro do complexo diplomático que tem sido sua casa nos últimos 18 meses.
"Você provavelmente acha que tudo isso foi preparado para você, certo?", ri Guevara, se dirigindo à reportagem, enquanto digita uma mensagem de texto compartilhando as boas novas para alguém de seu partido. "Mas os últimos dias foram todos assim." Com o aprofundamento da crise na Venezuela, mais e mais opositores do governo estão foragidos, presos por seu papel em uma insurreição militar fracassada na semana passada, quando o líder da oposição Juan Guaidó assumiu momentaneamente o controle de uma rodovia com um pequeno contingente de tropas tentando derrubar Maduro.
Em vez de ir para o exílio ou para a prisão, muitos dissidentes estão batendo nas portas de embaixadas estrangeiras. Nos últimos 10 dias, enquanto Maduro reprimia a insurreição, três legisladores se refugiaram nas residências diplomáticas da Itália e da Argentina, enquanto o líder da oposição Leopoldo Lopez, que desafiou a prisão domiciliar para participar do levante, está agora vivendo com sua família na residência do embaixador espanhol. Outros estão se escondendo em locais secretos, enquanto 18 guardas nacionais que responderam ao chamado de Guaidó para se rebelar estão escondidos na embaixada do Panamá.
Ninguém solicitou asilo, embora os países da América Latina tenham uma tradição de conceder esse status a dissidentes políticos que aparecem em suas representações diplomáticas, permitindo que entrem como "convidados" em uma espécie de limbo, esperando a queda de Maduro. Para Guevara, isso permitiu que ele permanecesse politicamente ativo, realizando frequentes sessões estratégicas com Guaidó e outros membros do partido Vontade Popular. "Eu sou como o fantasma em uma casa assombrada: eu não posso sair, mas, se você quiser vir, você pode falar comigo", afirma. 

Fonte: Associated Press



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.