Ceará é o 16º em inovação no País; investimentos são insuficientes


O Ceará figura apenas na 16ª colocação no que diz respeito à inovação considerando todo o País. Segundo o Índice de Inovação da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), divulgado ontem (13), o Estado não investe suficientemente recursos públicos neste segmento e não possui na pauta de exportações produtos de alto valor tecnológico, o que impacta negativamente os resultados estaduais. A pesquisa, dividida em dois índices (Capacidades e Resultados), traz informações sobre ambiente propício para desenvolvimento em inovação, investimentos, infraestrutura de qualidade, aproximação entre academia e setor produtivo, exportações e pesquisa científica.

Para o economista da Fiec, Antonio Martins, dois pontos fundamentais que o Ceará ainda precisa superar para desenvolver um ambiente de inovação é a insuficiência de recursos públicos na área e competitividade nas exportações. "O Ceará acaba aparecendo numa posição aquém, principalmente, quando nós olhamos os indicadores de resultados. Quando nós olhamos as capacidades, o grande gargalo é o investimento público em ciência e tecnologia. O Ceará tem uma infraestrutura de telecomunicações de qualidade, a maior do Nordeste, tem uma qualidade nos cursos de pós-graduação interessante e suficiente, mas falta um maior investimento público em ciência e tecnologia", explica Martins.

Em nota, a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), informou que o Governo do Ceará firmou, em 2018, o compromisso de destinar 1,01% da receita tributária líquida do Estado para ciência e tecnologia. "O repasse desses recursos representará, no fim de 2027, mais de R$ 2 bilhões - ou seja, 2% da receita. A decisão foi fruto de amplo debate e negociação entre os atores de CT&I e Governo Estadual".

Além disso, o estudo da Fiec aponta que a quantidade de artigos científicos e as patentes do Ceará estão abaixo da média nacional. "A média do Brasil são 40 patentes para cada 1 milhão de habitantes, e no Ceará são 20 patentes. São fatores que impactam negativamente os resultados. O Estado é o 11º no índice de capacidades, bem à frente do índice de resultados (17º). A gente tem uma capacidade, um ambiente relativamente propício, mas falta converter isso em mais inovação e desenvolvimento tecnológico", acrescenta o economista da Fiec.

De acordo com Martins, há um foco maior por parte do Governo do Estado e das indústrias, de uma forma geral, o desenvolvimento através da inovação. "Mas para que isso gere resultados e para que a gente possa ver um crescimento do Estado no ranking, vai levar alguns anos. É algo de médio e longo prazos, acima de 10 anos. O que precisa acontecer é um direcionamento, um projeto de longo prazo, uma continuidade no investimento público, sendo acompanhado pela academia e pelos setores produtivos", observa.

Competitividade

Outro ponto que o Ceará registra índices desfavoráveis é o que diz respeito à competitividade global, que são as exportações. "Uma vez que não há uma estrutura produtiva, não há na economia setores intensivos em tecnologia. As exportações do Ceará são focadas em frutas, calçados, placas de aço, mas não são setores intensivos em tecnologia", reitera o economista.

Para ele, quando a Fiec mediu a competitividade global, o Estado estava um pouco abaixo da média brasileira. "Mas uma coisa que pode mudar a posição do Ceará nas próximas pesquisas é o crescimento das exportações de pás eólicas, que são consideradas produtos de alto valor agregado. E isso vai ter um efeito na pauta exportadora. Nós já vislumbramos algumas melhorias em um futuro próximo".



Segundo Rômulo Holanda, analista de exportação da Frota Aduaneira, o parque tecnológico do Ceará precisa ser bastante explorado. "Essa parte tecnológica necessita ser bastante incentivada. O Estado já melhorou muito com o Complexo Industrial e Portuário do Pecém, mas é preciso incentivar mais. Seria interessante pensar em alternativas para reduzir questões burocráticas", analisa.

O presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Ceará (Ibef-CE), Luiz Antônio Trotta, também acredita que é preciso pensar a longo prazo. E que, atualmente, a pauta de exportação está limitada a poucos produtos.

"Eu vejo que não é um projeto de curto prazo. Tudo que você faz dentro da inovação tecnológica é algo que você tem que pensar a longo prazo. O Estado está fazendo algumas medidas importantes, como o Ceará 2050 que busca a integração de políticas públicas, engloba universidades e sociedade civil para buscar o nosso potencial para explorar e exportar tecnologia", diz.

HUGO RENAN / DIÁRIO DO NORDESTE

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.