Uruguai demite cúpula militar após omissão sobre crime na ditadura


O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, decidiu destituir nesta segunda-feira (01/04) seu ministro da Defesa, Jorge Menéndez, e autoridades da cúpula militar país, acusados de terem se omitido diante da confissão de um ex-oficial sobre crimes cometidos durante a ditadura militar.

O escândalo foi revelado neste fim de semana pelo jornal uruguaio El Observador. Segundo o diário, o ex-militar José Nino Gavazzo confessou ao Tribunal de Honra do Exército ter jogado em um rio, em 1973, o corpo do guerrilheiro Roberto Gomensoro. O ativista é considerado o primeiro desaparecido político da ditadura uruguaia, que se estendeu de 1973 a 1985.

A confissão, feita no ano passado, foi ignorada, e o tribunal concluiu que os atos de Gavazzo "não representam uma afronta à honra". A decisão foi homologada pelo Poder Executivo.

Segundo o Observador, o presidente uruguaio teria ficado muito chateado por não ter sido avisado da confissão de Gavazzo, incluída nas atas do Tribunal de Honra. A assinatura de Vázquez aparece na homologação da decisão da corte ao lado da do vice-ministro da Defesa, Daniel Montiel, que assumia a pasta interinamente enquanto Menéndez estava de licença médica.

Além de Menéndez, Montiel também foi destituído do cargo nesta segunda-feira. O escândalo levou ainda à demissão do recém-nomeado chefe do Exército, José González, e dos generais Gustavo Fajardo e Alfredo Erramún. Esses três militares são os integrantes do Tribunal de Honra que assinaram a absolvição de Gavazzo.

González havia sido nomeado chefe do Exército pelo presidente Vázquez em 12 de março, assumindo o cargo alguns dias depois, em 18 de março, há apenas duas semanas.

Uma fonte do alto escalão do Ministério da Defesa disse ao Observador que não sabia sobre a confissão de Gavazzo, sugerindo que o assunto não era algo difundido na cúpula da pasta.

Montiel, por sua vez, havia dito ao jornal uruguaio que não teve tempo de ler a reportagem que revelou a confissão do ex-militar, recusando-se a responder se ele e o ministro Menéndez tinham conhecimento sobre os depoimentos de Gavazzo.

EK/afp/efe/ots

DW

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.