Shazam! é a estreia mais poderosa da semana nos cinemas


A estreia superpoderosa de “Shazam!” monopoliza os cinemas brasileiros nesta quinta (4/4).

Maior lançamento da semana, simultâneo aos EUA, o filme é outro acerto entre as adaptações recentes da DC Comics, uma combinação da Sessão da Tarde clássica “Quero Ser Grande” (1988) com Superman.

Claro, a história do menino que vira super-herói adulto por um passe de mágica é muito mais antiga que o filme do jovem Tom Hanks. Escrita por Bill Parker e desenhada por C.C. Beck em 1939, tem como inspiração o próprio leitor dos quadrinhos: os adolescentes que se imaginam participando das aventuras de seus heróis favoritos.

Muito bem-sucedida em seus momentos de comédia assumida, a ação perde um pouco o ímpeto ao cair nos clichês de quadrinhos, como ter que enfrentar o supervilão genérico da vez (Mark Strong como uma reinvenção completa do Dr. Silvana), mas se redime com as performances de Zachary Levy como o super-herói do título e Jack Dylan Grazer como seu irmão adotivo. O menino de “It – A Coisa” rouba todas as cenas em que aparece, além de reforçar a moral da história: que uma família carinhosa e unida faz diferença.

A programação dos multiplexes também destaca “Duas Rainhas”, que traz Saoirse Ronan (“Brooklyn”) como Mary Stewart, a Rainha da Escócia, e Margot Robbie (“Esquadrão Suicida”) como Elizabeth I, a Rainha da Inglaterra. O conflito histórico entre as duas primas já foi bastante filmado – desde o século 19! – mas o elenco jovem renova a premissa com empoderamento feminino.

No circuito limitado, três filmes chamam mais atenção. O papel-título de “O Tradutor” é desempenhado por Rodrigo Santoro, um professor de russo requisitado a ajudar médicos cubanos com a tradução de crianças vítimas do desastre de Chernobyll, trazidas à Cuba para se tratar de envenenamento radioativo. A história é baseada na história real do pai dos diretores (os irmãos Rodrigo e Sebastián Barriuso) e faz o ator brasileiro sofrer em espanhol e russo.

“3 Faces” se utiliza da estrutura de falso documentário investigativo para acompanhar uma viagem do cineasta iraniano Jafar Panahi e da atriz Behnaz Jafari em busca de uma adolescente que enviou um vídeo pedindo ajuda para fugir de sua aldeia e poder estudar. Ao chegar lá, descobrem que ela simplesmente sumiu. O roteiro de Panahi foi premiado no Festival de Cannes do ano passado.

Por fim, o francês “Quando Margot Encontra Margot” lança mão de elementos fantásticos como ponto de partida de uma comédia existencial, em que uma mulher de 40 anos encontra uma versão de si mesma aos 20 anos e as duas passam a conviver, conversando sobre o que o futuro reserva e o que pode ser feito para melhorá-lo.

O resto da programação é de uma tristeza profunda, com direito a três filmes sobre funerais. O melhor é o drama argentino “Família Submersa”, o pior a comédia “Um Funeral em Família”, que tem a curiosidade de trazer a Dona Hermínia americana, Mabel “Madea” Simmons (o ator, diretor e roteirista Tyler Perry). No meio de ambos, há o brasileiro “Bio – Construindo uma Vida”, que também utiliza uma estrutura de falso documentário, mas de viés televisivo, repleto de cabeças falantes, para abordar um falecido fictício.

Três documentários reais encerram a lista. E embora o filme sobre “Mussum” tenha maior potencial comercial, é o longa de nome empolado, “O Chalé É uma Ilha Batida de Vento e Chuva”, que merece ser visto.

MODERNA

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.