Número de presos em operação policial sobe para 87 nesta sexta-feira

O número de pessoas presas na Operação Labirinto subiu para 87, conforme divulgado em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, 5, no Complexo das Delegacias Especializadas (Code). A maior parte da atuação do grupo criminoso adentrou a área do Sertão Central. Na quinta-feira, 4, a ação policial havia detido 80 suspeitos, além de apreendido um carro de luxo e R$ 25 mil reais em espécie. No total, 111 indivíduos foram indiciados.

Em Fortaleza, a operação atuou nos bairros Parque Dois Irmãos, Montese e Maraponga. Houve também ação no município de Quixeramobim, a 235,1 quilômetros da Capital. Na deflagração policial, houve ainda prisões em flagrante:

- Maria Olenilda Aquino Bandeira, 53, apontada perla Polícia como responsável por negociar e distribuir drogas nas cidades do Sertão Central. A acusada é mãe de Carlos Odeon Bandeira, 35, conhecido como “Jow” e chefe do grupo. Ele foi preso no dia 16 de julho de 2018, em São José dos Campos (SP).

- José Deivan Aquino Oliveira, 31, filho de Olenilda e irmão de "Jow".

- Anyele Ferreira Fernandes, 24, mulher de "Jow". Deivan teria passado a chefiar o grupo quando Odeon foi preso. Anyele administrava e recebia o dinheiro da venda das drogas ilícitas. Em seguida, lavava em empresas do ramo têxtil e gás de cozinha, situadas em Fortaleza, Baturité e Milhã. O carro de luxo apreendido estava com Anyele.

- Na Capital, Jonas Rafael da Fonseca Santos Cardoso, 19, e Liria Ellen de Souza Moura, 22, foram presos com 350 gramas de cocaína, 290 gramas de maconha, 40 gramas de crack, duas balanças de precisão, um revólver e um saco com mil pinos de plásticos para armazenar cocaína, no Parque Dois Irmãos.
- Reginaldo Cavalcante da Silva, 36, conhecido como “Grande”, com dois revólveres, 62 munições de calibre 38, 60 gramas de maconha e 85 gramas de cocaína. Victor Rodrigues Freire, 19, com um revólver, seis munições e pequena quantidade de drogas.

“O mais importante ainda é o processo de desidratação do poderio econômico dessas quadrilhas. O que foi feito hoje vai muito além de prisões”, disse o delegado geral da Polícia Civil do Ceará (PCCE), Marcus Rattacaso. Na Operação, ele frisa que foi apreendidos bens, arrecadado valores, cancelamento de empresas fraudulentas e foram determinados judicialmente de bloqueios de contas junto ao sistema do Banco Central. O prejuízo financeiro será divulgado em breve pela Polícia.

Os envolvidos foram autuados em crimes de tráfico de drogas, homicídio do sargento da Polícia Militar do Ceará (PMCE), Izaías dos Santos Lima, resgate de preso na Cadeia de Milhã, tortura e mutilação de membros de facção criminosa rival, além das infrações baseadas na Lei das Organizações Criminosas, no Estatuto do Desarmamento e na Lei de Drogas.

Articulação

De início em 2017, a Operação Labirinto prendeu 87 pessoas presas até hoje, 25 foram em flagrante. “São uma sequência de ações no combate às facções criminosas. O principal não é só desarticular os chefes mas, em especial, desestimular que outras pessoas adentrem para essas atividades criminosas”, afirma o diretor do Departamento Técnico Operacional da Região Sul, Fernando Menezes. Ele assegura que a Polícia está atenta, em plena investigação e dissecando atividades criminosas no Ceará. “É um trabalho contínuo. Novas operações estão sendo articuladas para dar continuidade ao trabalho desenvolvido nesta Operação”.

Ao todo, 200 agentes policiais fizeram parte da Operação Labirinto. O delegado, titular da Delegacia Municipal de Quixeramobim, Huggo Leonardo, o objetivo era a prisão do chefe da organização criminosa, Carlos Odeon Bandeira. “Ele tinha dado o aval para a prática de tortura e sido o mandante da fuga do preso da cadeia de Milhã, que resultou na morte do policial”. O delegado ressalta ainda que, durante as investigações, eles perceberam a enorme proporção do grupo. Após a prisão de Carlos Odeon, o trabalho de inteligência da Polícia continuou.

Resultado

136 mandados judiciais cumpridos

111 indivíduos indiciados

87 pessoas presas (53 já encarceradas e 34 presas estavam em liberdade)

84 mandados de prisão

R$ 25 mil reais (em espécie)

11 veículos apreendidos (1 carro de luxo - Honda Civic, 7 motocicletas e 3 carros populares)

350 gramas de cocaína, 290 gramas de maconha, 40 gramas de crack, duas balanças de precisão, um revólver e um saco com mil pinos de plásticos para armazenar cocaína (depósito de drogas, no bairro Parque Dois Irmãos)

3 revólveres, 62 munições de calibre 68, 6 munições, 60 gramas de maconha e 85 gramas de cocaína (Fortaleza)

2 espingardas (encontradas em Quixeramobim)

8 municípios envolvidos (Baturité, Canindé, Fortaleza, Madalena, Milhã, Pedra Branca, Quixeramobim e Senador Pompeu)

7 presos em flagrante nesta semana

Você pode denunciar

A população pode contribuir com as investigações dos policiais, denunciando pelo número 181, do Disque Denúncia da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Além disso, as informações poderão ser enviadas ao contato de whatsapp (88) 9.9325-3627, da Delegacia Municipal de Quixeramobim (12ª Região). O anonimato é garantido.

As investigações da Operação Labirinto continuam.

O Povo

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.