Juros do cheque especial atingem 317,9% ao ano em fevereiro


A taxa de juros do cheque especial ficou em 317,9% ao ano em fevereiro. A alta foi de 2,3 pontos percentuais em relação ao mês anterior, quando estava em 315,6% ao ano. Essa é, hoje, a modalidade de crédito mais cara do mercado.

A taxa de fevereiro é a mais elevada para o mês desde abril do ano passado, quando ficou em 321%. Já em relação a fevereiro de 2018, quando estava em 324,1%, caiu 6,2 pontos percentuais.

Os dados foram divulgados nesta 4ª feira (27.fev.2019) pelo Banco Central.

Desde julho de 2017, os bancos estão obrigados a oferecer uma linha de crédito mais barata para os clientes quitarem as dívidas do cheque especial. A medida, anunciada pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos), visava reduzir o custo do crédito no país.

  • juros no cheque especial: 317,9% ao ano.

As taxas de juros no país continuam elevadas para 1 cenário no qual a Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira, está na sua mínima histórica, de 6,5% ao ano.

CARTÃO DE CRÉDITO TAMBÉM SOBE 
Os juros do cartão de crédito rotativo também subiram na comparação mensal e atingiram 295,5% ao ano em fevereiro. A alta foi de 8,6 pontos percentuais em relação a janeiro, quando estavam em 286,9% ao ano.

A taxa de fevereiro é a mais alta desde maio do ano passado, quando estava em 302,7%. Já na comparação anual, houve queda de 36,2 pontos percentuais nos juros.

A taxa de juros do rotativo regular –aplicada quando o cliente paga o valor mínimo da fatura– subiu de 247,5% ao ano em fevereiro de 2018 para 274,8%. A alta foi de 27,3 pontos percentuais no ano.

Já os juros na modalidade não regular –aquela em que o cliente não paga nem o mínimo da fatura– caíram de 392,4% ao ano em fevereiro de 2018, para 310,9% no mês passado, recuo de 81,5 pontos percentuais.

As taxas de juros do cartão de crédito parcelado caíram de 175,4% para 170,5%, queda de 4,9 pontos percentuais.

  • juros no rotativo: 295,5% ao ano;
  • regular: 274,8% ao ano;
  • não regular: 310,9%% ao ano.
  • juros no parcelado: 170,5% ao ano.

Desde 2017, estão em vigor medidas do Banco Central para tentar reduzir os juros do rotativo. Pela regras, o consumidor só pode pagar o percentual mínimo na fatura por 1 mês. Passado esse período, precisa quitar a dívida ou parcelá-la por meio de outra linha de crédito, mais barata.

CRÉDITO PESSOAL
Nas operações de crédito pessoal, a taxa de juros caiu de 46,9% ao ano fevereiro de 2018 para 45,3% no mês passado. O recuo foi de 1,6 pontos percentuais. Em janeiro, estava em 43,8%.

No crédito pessoal não consignado, houve queda de 125,7% para 122,5% na comparação anual. Já no consignado –no qual há desconto direto no contracheque–, houve queda de 26,3% para 24,2%.

  • juros no crédito pessoal: 45,3% ao ano;
  • não consignado: 122,5%% ao ano;
  • consignado: 24,2% ao ano.

JUROS MÉDIOS
Os juros médios praticados pelas instituições financeiras com recursos livres –operações de crédito contratadas com taxas livremente pactuadas entre instituições financeiras e clientes– registraram queda de 42,1% ao fevereiro de 2018 para 38,5% no mês passado.

Os juros para pessoas físicas caíram de 57,6% para 53,2% no período (4,4 pontos percentuais). Para a pessoa jurídica, o recuo foi de 22,2% para 19,7% (2,5 pontos percentuais).

  • taxa de juros média (pessoas físicas e jurídicas): 38,5% ao ano;
  • pessoas físicas: 53,2% ao ano;
  • pessoas jurídicas: 19,7% ao ano.

INADIMPLÊNCIA
Os dados do BC apontam para recuo na inadimplência nas operações com recursos livres. A porcentagem passou de 5% fevereiro de 2018 para 3,9% no mês passado.

Pessoas físicas seguem com inadimplência mais elevada, de 4,7%. Entre as empresas, o percentual é de 2,8%.

SPREAD BANCÁRIO
O spread para crédito de pessoas físicas e jurídicas caiu de 34% em fevereiro de 2018 para 31,3%. Entre as pessoas físicas, recuou de 49,1% para 45,4%. Já entre as empresas passou de 14,6% para 13,2%.

Spread é a diferença entre o valor do juro cobrado dos bancos quando tomam empréstimos e as taxas aplicadas por essas instituições ao concederem crédito para os consumidores.

PODER 360

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.