Nanda Costa fala das consequências do relacionamento homo afetivo e dispara: ‘Fui corajosa’

A atriz Nanda Costa é sucesso na Globo, e sua personagem em ‘Salve Jorge’ é contemplada até hoje. Em entrevista ao Jornal Extra, a atriz falou sobre seu relacionamento homo afetivo e as consequências de tê-lo assumido.

“Eu não estava preparada para falar disso antes, para me assumir. No começo, não queria que minha vida afetiva estivesse à frente das minhas personagens. O que me deu forças para perder esse medo foram meus últimos trabalhos, que eram completamente diferentes um do outro, e de mim. Não é porque Maura se relaciona com uma mulher que somos iguais. Quando me senti mais segura na profissão, isso me fortaleceu”, ponderou.

Nanda foi encorajada pelos trabalhos.  “Eu me despedi da Sandra Helena (de “Pega pega”), fiz “Entre irmãs”, teve a música “Aponte”, que a Bethânia gravou, e agora o Grammy… Ganhei milhares de presentes! Foi um ano em que enfrentei meus medos. Acho que fui muito corajosa e me orgulho disso. Sei o quanto foi importante tudo o que aconteceu comigo pelo retorno que venho tendo ao longo desse trabalho. Cada um escreve a sua história. Eu estou escrevendo a minha! Quando me dizem ‘me inspiro em você’, eu respondo: ‘Se inspire, mas seja você'”, disse.

Aos 32 anos, a morena revelou que isso tem refletido positivamente nela. “Não estava dentro do armário, estava com o peso do armário nas costas. A gente não relaxa quando não pode ser quem é. Autenticidade, essência e espontaneidade acontecem, assim como na arte, quando a gente está relaxado para aflorar quem é de fato. Eu já me aceitava, mas achava que as pessoas não pudessem aceitar. A partir do momento que compartilhei mais a minha vida amorosa, fiquei mais à vontade, de verdade e transparente!”, comemorou a artista.

“Acho que a gente já é educado para ser hétero. Demorei para entender. Tive um namorado por três anos, ele se vestiu de mulher num carnaval e foi aí que eu despertei, fiquei animada com aquilo (risos). Depois, comecei a namorar uma menina e entrei numa puta crise: ‘será que sou gay?’. Nem abria muito para as pessoas, achava que ia passar, que era bi… Namorei outro menino, mas meio que forçando uma barra, sabe? Depois, outra mulher, até que me apaixonei pela Lan. A gente se pergunta mesmo. Mas, quando relaxa, o amor acontece de forma natural”, declarou.

TV Foco

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.