Bolsonaro quer aprovar parte da reforma da Previdência no governo Temer


O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou na noite desta segunda-feira (29), em entrevista ao vivo ao Jornal Nacional, que convidará o juiz federal Sérgio Moro para ser o futuro ministro da Justiça ou então o indicará para uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal.

"Pretendo convidá-lo para o Ministério da Justiça ou – seria no futuro – abrindo uma vaga no Supremo Tribunal Federal, na qual melhor ele achasse que poderia trabalhar para o Brasil", afirmou Bolsonaro.

Na entrevista, além da questão sobre Sérgio Moro, o presidente eleito respondeu a perguntas sobre outros cinco temas:

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse nesta segunda-feira, 29, pela primeira vez que pode apoiar a aprovação da reforma da Previdência ainda no atual governo. O presidente Michel Temer afirmou no dia anterior que é possível finalizar a proposta enviada ao Congresso ainda neste ano se o seu sucessor quiser.

“Na semana que vem, estaremos em Brasília para um encontro com Temer. Se der para aprovar alguma coisa da reforma da Previdência, o todo ou parte, evitaria um problema para o futuro governo”, disse Bolsonaro em entrevista para a TV Record.

Segundo ele, o novo governo vai atuar junto ao Congresso para evitar a votação das chamadas pautas-bombas, que podem trazer gastos extras à administração federal. “Pois temos um déficit monstruoso e ele não pode aumentar.”

Temer afirmou ainda que a ‘estrada estará inteiramente asfaltada para o próximo governo”, referindo-se à reforma da Previdência. A proposta parece contar com o apoio de Paulo Guedes, futuro ministro da Fazenda. Em encontro com investidores, o futuro comandante da economia disse a que Bolsonaro poderia ajudar Temer a aprovar a reforma.

Bolsonaro afirmou ainda que não dá para revogar o teto de gastos aprovado na gestão de Temer. “Não adianta revogar o teto, não tem como investir mais.”

Ele acenou para o empresariado. “É preciso destravar a economia, desburocratizar, regulamentar para que os investidores, empresários e comerciantes tenham meios de empregar sem tanta burocracia. Somente dessa forma dá para movimentar a economia.”

Mercosul
Bolsonaro ironizou a forma como Paulo Guedes respondeu à pergunta de uma jornalista argentina sobre o Mercosul: “Ele se soltou”. Guedes chamou de ‘malfeita’ a pergunta sobre a possibilidade de rompimento com o Mercosul. “Mercosul não é prioridade. É isso que você queria ouvir?”, perguntou Guedes para a repórter do jornal argentino Clarín.

O presidente eleito endossou a visão do futuro ministro da Fazenda  e minimizou o peso do Mercosul nas relações comerciais com o Brasil. “Acho que o Mercosul é supervalorizado, no meu ponto de vista. Ninguém quer implodir [o bloco], mas dar a devida estatura que ele tem.”

Veja.com.br

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.