Voluntários resgatam animais que vivem nas ruas e incentivam adoção em Sobral

Foto: Arquivo Pessoal
Cuidadores de cães e gatos de estimação concordam: o amor por um animal não tem raça ou cor. A relação entre o homem e os amigos de quatro patas também traz inúmeros benefícios para a saúde do ser humano.

Em 2017, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que em 44% das casas dos brasileiros vive pelo menos um cachorro. Os números revelam, portanto, que a população de cães domésticos no Brasil chega a 52,2 milhões. Porém, enquanto parte dos bichinhos seguem felizes e sob um teto, estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que 20 milhões deles habitam as ruas das cidades, acometidos por doenças, maus tratos e se reproduzindo sem controle.

A dona de casa de 44 anos, Erivanda Maria, diz ser apaixonada por animais e revela que cria treze gatos e quatro cachorros em casa.

"A família toda ama. Meus filhos sempre conviveram com animais e aprenderam a tratar bem e amar. Agora meus netos também estão no mesmo caminho", destaca.

Erivanda conta que em dezembro de 2017, duas cadelas já crescidas apareceram em sua rua. Vários registros foram postados nas redes sociais com o objetivo de encontrar o lar dos animais. Como ninguém procurou por elas, a dona de casa passou a alimentá-las e colocá-las para dormir na garagem de casa. Uma das cadelas pesa 16 kg e é deficiente. Ela tem apenas três patas.

"Passei a tratá-las como trato meus animais. Cheguei a pensar que as duas fossem irmãs pelo jeito que se tratam e brincam. Uma protege a outra dos outros cachorros", disse.

Foto: Thais Menezes
Meses se passaram e a cadela deficiente entrou no cio. Temendo que ela engravidasse e tivesse os filhotes em outro lugar da cidade, Erivanda procurou voluntárias da causa animal em Sobral, com o intuito de pedir ajuda financeira para pagar uma castração.

"Como estou desempregada e não tinha como conseguir pagar uma castração, falei com várias pessoas ligadas à causa animal até que consegui um anjo que me ajudasse", conta ela.

O "anjo" em questão trata-se da professora Roxele Monte. Dona de doze cachorros e três gatos, ela conta que não faz parte de ONGs de proteção aos animais no município, mas que faz questão de ajudar como pode.

"Sou tipo uma protetora independente. Estou sempre ajudando na causa animal como posso. Infelizmente também não tenho condições financeiras para ajudar a todos que precisam", disse.

Com o apoio do grupo Anjos de Patas, organização que atua há seis anos em Sobral, Roxele conseguiu a castração da cadela em questão com um desconto de 50% na clínica Vet Pet, localizada no Centro da cidade. 

Hoje, ainda se recuperando da castração a cadela tem lar e até nome da "moda". Chama-se Valentina.

"Estou cuidando dela agora. Já a outra cadela, eu deixo entrar em casa, alimento e até tento dar carinho, mas ela não deixa ninguém encostar nela", disse Erivanda, que fez questão de adotar Valentina após a castração.

Roxele e a filha Luana Monte | Foto: Arquivo Pessoal
Toda essa nobre atitude da professora Roxele para com os cães abandonados, despertou em sua filha caçula o desejo de poder ajudar ainda mais os animais. Hoje, ela está cursando Medicina Veterinária.

Por ser "independente" nessa causa, para suprir alguns custos, Roxele promove bazares para arrecadar dinheiro e efetuar pagamentos em clínicas parceiras.

Anjos de patas

A Organização Não Governamental atua em Sobral, desde 2012, e tem como objetivo diminuir o número de animais nas ruas, evitando assim o abandono, as doenças e maus tratos. Para isso, o grupo conta com o apoio de clínicas veterinárias.

"Conseguimos descontos em consultas, procedimentos e cirurgias. Alguns dos descontos são menor que 50%. Aí conseguimos repassar esse benefício para pessoas carentes, protetores e pessoas que pegaram algum animal de rua", destaca uma das fundadoras do grupo Anjos de Patas, Daniele Frota.

Foto: Divulgação
Para arrecadar dinheiro e continuar com os serviços, o grupo também promove bazar, vendas de rifas e de objetos padronizados com a logomarca do projeto. Existe também uma conta, na qual pode ser feito depósito em dinheiro.

"Trabalhamos nas nossas limitações por amor, apenas. Pois não recebemos nada de ninguém para isso", disse Daniele.

Todos os animais resgatados pelo grupo Anjos de Patas são levados à feira de adoção, também promovida pelo projeto. A fundadora faz um apelo em prol da adoção.

"Ajude os animais de rua ou em situação de risco, pois eles não sabem falar e só têm a nós, humanos, para ajudá-los."
(Daniele Frota - Fundadora do Grupo Anjos de Patas)

Ao contrário das últimas gestões, nos últimos meses o poder público sobralense vem contribuindo com o bem-estar animal.

"Foram anos com o poder público de olhos fechados. Eutanásia era solução para tudo", desabafa Daniele.

O Centro de Controle de Zoonoses já não recolhe mais animais de ruas como acontecia na época das famosas "carrocinhas". Hoje, apenas animais positivos ou com doenças em fase terminal passam pela eutanásia.

Cadelas resgatadas no bairro Renato Parente | Foto: Arquivo Pessoal
Políticas públicas

Os grandes avanços da luta em prol dos animais de ruas proporcionou a criação da Política Municipal de Bem Estar e Proteção Animal de Sobral (Lei n. 1.671/2017, de 04/10/2017 - DOM/Sobral N. 162, de 05/10/2017), que tem como objetivo promover atividades, ações e programas como: Controle de Natalidade de cães e gatos e a Reinserção de Animais abandonados, além de projetos educacionais junto a comunidade sobralense. Vale ressaltar que Sobral pode ser pioneira em todo Nordeste na implantação do projeto.

Foto: Arquivo Pessoal
O autor do programa, Alex Paiva, contou com a aprovação do prefeito Ivo Gomes que sancionou a ideia. O projeto também teve o apoio de Fátima Silveira, dos fundadores da Associação Seres Viventes de Sobral e da União Cearense das Entidades de Proteção Animal (UNICEPA).

"Estamos desenvolvendo por Sobral, atenção de castração, microchipagem, tratamentos, Unidade de Resgate e Salvamento, CETAPAS (Protótipo pré-hospitalar para urgência e emergência), além da fiscalização de quaisquer tipos de maus tratos ou abusos contra os animais", destaca Alex Paiva, autor da PMBEA.

O órgão gestor da Política Municipal de Bem Estar e Proteção Animal é a Agência Municipal do Meio Ambiente (AMA), que irá proporcionar as condições necessárias para o exercício de suas atribuições legais.

Thais Menezes/SPN

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.